Estrada da Limeira

By , 23 de February de 2015 16:25

Depois de quase 5 anos, volto para a Estrada da Limeira, mas agora bem mais hard.

Para começar saímos de casa as 23:50 de sexta-feira, Eu, Alexandre, Serginho, Felipe Rodcz e Marcelo Stancik pela BR 376 sentido Guaruva, o percurso foi bem tranquilo, pois imaginava que poderia sem meio tenso descer a serra durante a madruga, mas foi bem mais tranquilo. Chegamos em Guaruva as 3 da manhã, fizemos um lanche bem reforçado, pois a pedreira estava por vir. A vantagem de se pedalar na madrugada é que você não direito a roubada que está se metendo, 5 anos atrás a estrada estava muito complicada, muito cascalho solto, dessa vez foi bem mais tranquilo, boa parte dos retões Mantinham-mos uma média boa, o problema foi quando começou amanhecer, ai o cansaço pegou pra valer e ainda tinha a serrinha para passar, a estrada está com pontes novas e o caminho foi melhorado e muito, mas as pedras de rio próximo a serrinha e na serrinha ainda estão lá.

Amanhecendo na Limeira

Amanhecendo na Limeira

Vencido a serrinha estávamos na BR 277, chegamos por volta das 9 da manhã, agora além do cansaço tinha o calor, parei no restaurante Roda d´água e o Felipe logo chegou também, ficamos um bom tempo ali, tentando comer algo, depois de mais um tempo Serginho e Alexandre passaram reto pro Bela Vista e resolvemos ir até lá também. O Marcelo ficou na saída da BR esperando resgate. Depois de mais de uma hora parados vinha o verdadeiro teste, subir a serra até em casa, já era perto das 11 horas da manhã e o sol forte, subimos parando nas sobras e também paramos em um rio para refrescar um pouco.

Parada no Rio da Serra para refrescar

Durante a subida fui dividindo os desafio mentalmente, primeiro era chegar no alto logo após os viadutos, depois chegar no quebrado KM 49, Rio Pequeno, placa de Altitude, SAU e por fim casa.

Pedal bem difícil, foram 215km em quase 15 horas de pedal e 3800 de altimetria e sem dormir.
Algumas outras fotos aqui.

Humm… Bruta

By , 19 de February de 2015 16:25
Humm... Bruta

Humm… Bruta

Festive 500 – 2014

By , 31 de December de 2014 17:05

f500-14-1024x447

Mais uma vez no fim de ano o desafio Festive 500, pedalar 500 quilômetros em 8 dias. Não foi fácil.

Dia 1:
já no primeiro dia com a chegada do verão em nossa região “CUritiba” o tempo começou como muita chuva e quase que não pedalo neste dia, mas resolvi ir assim mesmo – MTB pela região rural de São José dos Pinhais 58 quilômetros de muito barro.

Dia 2:
O segundo dia começou muito feio também, choveu bastante e muito vento, então logo após o almoço fui com a speed até o pedágio da 376, a chuva rondou bastante mas cheguei em casa seco :)

Dia 3:
O terceiro dia como foi um dia útil o pedal foi depois do trabalho e neste dia choveu muito novamente, até uma rua ficou encoberta pela água, e como choveu muito, fomos de MTB.

Foto Instagram Bianco

Foto Instagram Bianco

Dia 4:
O quarto dia foi o mais sofrido e quase que fico sem terminar o restante do desafio, resolvemos ir até Agudos do Sul para completar também o Gran Fondo 12, mas o ritmo foi alucinante e na volta de Tijucas o vento apertou muito e a média não caiu de 30 km/h e agora sem chuva o calor não deu trégua… cheguei em casa bem debilitado, foram 140 km.

Foto Instagram Felipe

Foto Instagram Felipe

Dia 5:
O quinto dia sentindo muita dor nas pernas resolvi ir até o pedágio da 277 em um ritmo bem leve, pois estava ventando muito, na saída perto de casa o pneu furou e depois mais duas vezes que fiquei sem remendo e sem câmara para voltar embora, um senhor acabou parando e me emprestou um remendo para poder voltar pedalando, o o vento estava muito forte e minha média devido a dor nas pernas ficou em 18 a 20 km/h na volta com o vento contra sem contar o calor de 36 graus.

Primeiro dos 3 furos

Primeiro dos 3 furos

36º na cabeça

36º na cabeça

Dia 6:
o sexto dia fui após o trabalho novamente, um dia muito quente e quase que chove na hora de pedalar, ainda sentindo dores nas pernas fui até o Rio Pequeno na BR 277 e depois voltei, foram 60 Km em um ritmo bom e sozinho.

Flores do Pedágio

Flores do Pedágio

Dia 7:
O sétimo dia foi muito parecido com o sexto, porém não fui até o pedágio, pois o movimento de carros na BR era muito alto e fui até a ultima passarela para poder cruza a BR, um pouco ante choveu forte e baixou um pouco a temperatura, na volta resolvi voltar pela Roseira e novamente senti as pernas, mas agora só faltava 23 km para completar o desafio.

Piraquara após a chuva

Piraquara após a chuva

Dia 8:
O oitavo dia estava pensando em ir somente até o pedágio, pois achei que a turma ia só até lá, mas o Bixo sugeriu ir por dentro de Piraquara até Quatro Barras e como hoje é o ultimo pedal do ano esse pedal mais longo, alguns não foram e encontramos outros no meio do caminho e acabei fechando o dia e o ano com 107 km. Fecho o ano com 9.813,4 km, 96.885 de altimetria total, 178 pedaladas e 379 horas e 33 minutos em cima da bike!

Foto Instagram Luiz

Foto Instagram Luiz

Foto Instagran Arce

Foto Instagran Arce

festive 500

Nova companheira pro mato

By , 2 de December de 2014 11:37

Depois de quase 6 anos, dou adeus a minha velha companheira das trilhas, a Astro Comet que comprei em 22/01/2009 e já tinha seus 19.330 quilômetros, foram vários lugares que conheci com essa bike, mas o ciclo se completou e agora chegou a nova companheira com novas tecnologias, novo design novo tamanho, ou seja tudo novo.

2014-11-29 12.37.11

Me rendi a febre das 29ER, quando testei uma, percebi que ela realmente anda mais, então comecei a pesquisar e logo achei a Merida Big.Nine, fui a té a loja e vi de perto, dei uma volta na rua com ela e logo gostei e senti mais conforto na pedalada, só o guidão que é bem mais longo e a posição das mãos me incomodou bastante, a reclamação geral do pessoal são as subidas, mas é tudo questão de se adaptar, obviamente é uma MTB e nas subidas ingrimes com mais de 11% de inclinação o bixo pega, diferentemente da speed a roda traseira começa a patinar e por esse motivo se tem uma relação com 36 dentes no cassete, comparando novamente com a speed, as subidas que faço no asfalto com a speed fica em torno dos 12 a 14 km/h na MTB essa velocidade ficou em torno dos 8 a 10 km/h então muda pouca coisa, já em relação ao aro 26 essa velocidade não ficava muito distante e era entre 11 a 13.

Domingo fiz um pedal pesado com ela, fui até o Saltinho em Tijucas do Sul e voltamos pela BR. Foi um pedal de 130 quilômetros e 1600 de altimetria, de forma geral gostei, os próximos pedais vou sentindo melhor a bike.

Agora as ultimas fotos da Astro:

Cerne IV

Cerne IV

Cachoeira da Boa Vista

Cachoeira da Boa Vista

Rapha Rising 2014

By , 21 de October de 2014 15:51

Assim como no Rapha Festive 500, recebi um roundel ou badge do desafio Rapha Rising 2014. Uma coisa bacana que vem junto é um folder com as estatísticas do desafio, por exemplo, foram 44.178 participantes e apenas 5.917 que concluíram o desafio, que consistia em subir 8.800 metros em 8 dias.

Não foi fácil concluir, como subir duas vezes a serra e nos últimos dias faltavam pouco metros para concluir o desafio, acabei caindo com a mountain bike e foi muito difícil terminar os últimos metros.

E a cada ano que passa vai ficando mais difícil concluir, em 2012 foram 6.881 metros e 2013 foram 7.235 metros e como será 2015?

Rapha Rising Badge

Panorama Theme by Themocracy