Posts com a tag:Campo Magro

Pedal dos desocupados

Por , 18 de janeiro de 2011 20:47

Férias e em casa pois a viagem com a familia em Florianópolis já acabou – o jeito e pedalar, mas fica bem melhor quando se tem alguém para ir junto e colocar o papo em dia fica melhor. Achei alguém hoje neste mesmo perfil, Renato Pedaleiro 😀

No encontramos no passeio publico as oito horas da matina para um pedalzinho curto lá para os lados da represa Passaúna e colônias de Campo Magro.

Tempinho nublado mas agradável o sol até ameaçou em dar as caras, mas ficou nisto. Chegando na represa reparamos que caia uns pingos de chuva, mas era tão espaçado que não sentiamos os pingo, tiramos umas fotos e resolvemos ir para os lado de Campo Magro, logo que pegamos a rua Mato Grosso reparei em uma estrada não mapeada e resolvemos seguir algumas por aquela região da colônia Revier. Desviamos de algumas nuvens bem carregadas de chuva durante o pedal e não nos molhamos.

Chuva bem perto

O lado bom de pedalar para aquelas bandas é a quantidade de subidas, porém cansativas, o meu odômetro já marcava 50 quilômetros quando resolvemos voltar para Curitiba e deixar para trás várias outras ruas não mapeadas, mas isso será um pedal a parte para lá 😀

Voltamos pela 277, o Renato seguiu comigo até o Shopping Estação e dali cada um seguiu para o seu lado. Cheguei em casa quase 01:00 da tarde com 87 quilômetros pedalados.

Curitiba – Ponta Grossa via Estrada do Cerne

Por , 25 de julho de 2010 21:39

Passado um ano e reeditado o pedal e hoje chamado de Cerne II, partimos para mais uma aventura este fim de semana. Sair de Curitiba e ir até Ponta Grossa pela estrada do Cerne, reeditado pois o primeiro foi com destino a cidade de Castro, e novamente contendo 12 pedaleiros, mas infelizmente não podemos contar com a presença dos colegas de pedal que juntos idealizaram este e o primeiro pedal Du e Rodrigo Stulzer, mas o Pedaleiro estava 🙂

Foto de Luiz

Saímos do Barigui por volta da 06:00 da manhã; Eu, Renato Pedaleiro, Rafael Gassner, Luiz Oliveira, Mildo, Daniel, Lulis, Arce, Rafael Sartori, Mr. Heil, Fabio, Maurilio; Estava bem escuro ainda mas pelo menos não tão frio, quando iniciamos o pedal e a primeira parada seria em Bateias para reagrupar todos e alguns tomarem seus cafés da manhã. Até ai tranquilo, mas depois o asfalto logo acaba e vem a estrada de chão com vários sobe e desce até chegar na parte mais baixa, o Rio Açungui com sua impressionante altitude de 585 metros do nível do mar. Aqui mais uma parada e reagrupamento da turma, ok! estamos em 11! falta um… cadê o XTR (Maurilio); Vamos as primeiras considerações: XTR, O Mildo logo que viu a bicicleta dele ficou admirado por possuir o grupo completo XTR, Quadro em fibra de Carbono e Rodas Mavic Crossmax SLX, e a partir dai ficou apelidado de “XTR”. Voltando ao assunto, o cara simplesmente pedalava mais que todo mundo junto, parecia que estava de speed só que sem a speed e sem o asfalto, enfim, partimos em 11 mesmo para Ponta Grossa. Depois do Rio Açungui começa uma subida bem puxada, na verdade várias subidas bem puxadas e intermináveis, mas todos sobreviveram, inclusive eu que pouco tenho andado de bicicleta e estou bem destreinado.

Foto de Luiz

Lá no topo da subida tem um bar conhecido como Bar do Nei, somente aqui fui ver a cara do nosso amigo “XTR”, aqui paramos para comer, teoricamente seria o almoço, agora o desaparecido era o Fábio que não viu o pessoal pegar a entrada para o bar e passou reto.

Maurilio "XTR"

Alguns acharam que o pior já tinha passado e realmente o pior já tinha passado, agora vinha o pior de todos e muito mais subidas e cada vez mais frio. Alguns ficaram para trás e outros distanciaram-se e o XTR? sumiu novamente, conta a lenda que pedalava ao lado do Gassner e subia os paredões e descia para acompanhar o pessoal até chegar a hora também não viram mais.

Foto Daniel

Em meio ao cansaço e vários morros encontramos o Rafael Gassner e o Fábio em uma mercearia onde acabamos esperando todo o resto do pessoal menos o XTR. Saímos para uma parada na Pedra Grande e outra nas Dolinas-Gémeas, acabamos passando a entrada de acesso a Pedra Grande e por acaso achamos a trilha para as Dolinas, ventava muito forte, mas valeu as fotos.

Mais a frente começava o asfalto onde é conhecida como a rodovia do Talco. Logo em seguida encontrei o Rafael e o Luiz parados pois o Luiz tinha quebrado a corrente mas já tinha consertado, após todos juntos apareceu o XTR vindo de Ponta Grossa, que loucura, não!! saindo de mansinho escuto um FUDEUUU!!! bem alto, o Luiz tinha desta vez quebrado cambio, gancheira, faltando 20km para chegar em Ponta Grossa.

Foto de Luiz

A principio pegaríamos a van lá e voltaria para resgatar o bicho, Lulis e Fábio que tinham ficado com ele, mas em quanto guardavam as bikes na van, o Mildo recebeu uma ligação de que eles estavam vindo no pedal mesmo :-O o Fábio deu uma de MacGyver e o Luiz chegou em Ponta Grossa com apenas uma marcha.

Pedal pesado, fechei com 130 km, média de 17.4 km/h e 2500 de subidas acumulada tudo isso em 12 horas de pedal.

Fotos:

Outros Relatos:

Aniversário na estrada da Itambé

Por , 11 de abril de 2010 21:22

A turna do Odois.org resolveu fazer uma festinha de aniversário diferente, isso mesmo o Thiago comemorou seus 23 anos de vida pedalando e o cenário escolhido foi “as minas de Itambé”, calma pessoal nada de boate, e sim a jazida de calcário da empresa Itambé Cimentos. O roteiro elaborado pelo Leandro que não pode participar devido seu alvará caçado 😮 O caminho foi muito bem escolhido, estradas inéditas e com um grau de dificuldade acentuado dado ao piso sem tratamento algum, muitas erosões, limo e argila expostas que levou alguns ciclistas ao chão.

Marcaram presença Rodrigo Stulzer Transpirando, Rafael Gassner, Mildo Vendruscolo, Luiz Oliveira 2 MegaPixel, Renato Pedaleiro, Tui, Guilherme (Leandrinho), Israel, e claro Du O2, Lulis O2 e Thiago O2.

Fotografo: Luiz Oliveira

Saímos as 7:30 da Havan Barigui em direção a Campo Largo pela BR 277, paramos para um lanche rápido no Jusita e logo pegamos as estradinha da região que nos levaram até o Morro do Cal por onde andei com o Leandro outro dia, depois foram várias subidas e descidas bem fortes. Chegamos na jazida já era quase 13:00 da tarde, onde comemoramos ascendendo uma dinamite no bolo, opa! panetone, tá não era uma dinamite.

Detonado os panetones e muitas piadas depois, resolvemos subir a tal estrada de concreto da Itambé, já estávamos todos cansado e as subidas pareciam intermináveis, mas quando chegavam as descidas era só alegria, um pouco antes de chegar na BR 277 paramos para reagrupar, veja abaixo o estado da turma.

Chegamos em Campo Largo por volta das 15:00 horas e não achamos nada para almoçar, então foi sanduíche mesmo, segundo o Renato foram 20 baurus, 8 sanduíches, pasteis e risolis, quanta fome hein.

Nos despedimos no policia rodoviária da BR 277, cheguei em casa com 160 quilômetros e 2080 de altimetria, pedal realmente tenso mas a turma é valente.

Outros relatos:

Mais Fotos:

Morro do Cal

Por , 22 de fevereiro de 2010 18:53

Sábado resolvemos partir para uma exploração, o Leandro achou no Google Earth, o Morro do Cal em Campo Magro. Nos encontramos em frente a TagBike. Eu, Tui, Leandro, Guilherme e Bruno, seguimos em direção do parque Barigui onde encontramos o Daniel.

Decidimos evitar o asfalto e seguir por estradas de terra, pegamos a trilha que vai por trás da Copel e depois umas estradinhas com subidas bem pesadas, ate a Colônia Dom Pedro, onde paramos em frente a Igreja para um lanche rápido.

O calor começou a apertar e fizemos mais algumas paradas para comprar água. O Guilherme teve um problema com o eixo da roda traseira um pouco antes de chegar na igreja Miqueleto. Faltava pouco para chegar mas o Bruno já mostrava sinais de estar muito cansado.

Pegamos mais algumas subidas e outras boas descidas e não achamos a entrada do morro, perguntamos para uma moradora e ela nos explicou o caminho da roça, ou melhor o caminho do morro. Levamos as bike até onde deu e depois fomos a pé por uma trilha cheia de cascalho e íngreme. Tiramos algumas fotos e descemos, o Bruno foi o único que subiu completamente o morro, os demais ficaram na estrada aguardando em uma sombra.

Na volta, todos estavam bem cansados e com fome, paramos em uma venda e tomamos umas “gasosas” na dúvida se encontraríamos algo aberto mais adiante. Já eram 2 horas da tarde e provavelmente não iria ter almoço em Campo Largo, por sorte achamos um restaurante de beira de estrada onde paramos e matamos a fome.
Seguimos pela 277 até a altura do Museu do Mate onde pegamos a rua Mato Grosso e seguimos até o Parque Passaúna onde pegamos a trilha ecológica e descansamos no final desta.

Saindo dali, fomos em rumo ao Parque Barigui e tomamos um caldo de cana para encerrar o pedal.

Fechei o pedal com 96 quilômetros e média de 18,18 km/h.

Fotos: Morro do Cal 20/02/2010

GPS: GPSies - Morro do Cal 20/02/2010

Relato e fotos do Leandro: Cicloturista Urbano – Morro do Cal

Panorama Theme by Themocracy