Posts com a tag:Viagens

Semana em Porto Alegre

Por , 25 de março de 2010 14:16

Estou passando esta semana em Porto Alegre a trabalho, aprimoramento no software AMOS de uma empressa Suíça, uma pena que o curso não é no país de origem, esse tipo de coisa não atinge pobres mortais 🙁 Mas voltando para a realidade, fui conhecer a cidade, aprezar de sempre estar vindo para Porto Alegre, nunca consigo sair do aeroporto. Esta semana deu para aproivetar e passear um pouco pela cidade.

ercado Publico

A estadia em Porto Alegre incluíu também uma visita nos estudio da RBS TV. Deixa eu explicar, meu tio Cley Corrêa trabalha na RBS e me levou para conhecer, chegamos na hora do jornal da noite que é transmitido ao vivo, o estudio também é local de trabalho do redatores, eles ficam ali trabalhando enquando os apresentadores apresentam o jornal 🙂 Conheci também as “master switchs”, salas muito bacanas com monitores de varios canais e mesas com muitos “switch´s”, gostei mesmo é de um relógio digital que fica entre os monitores.

Master Switch

Guaraqueçaba – Salto Morato – Parte 2

Por , 8 de fevereiro de 2010 18:01

Depois do susto da noite passada, acordamos um pouco tarde do previsto. Nosso café da manhã foi uma caramanhola com uma lata de leite condensado e alguns pães com biscoito. Levantamos o acampamento e arrumamos as coisas e saímos do parque já era umas 9:40. O caminho de volta não estava lá aquelas coisas, muito barro devido a chuva que caiu a noite toda, nisso já atolamos rodas e os pés, logo chegamos na famosa estrada de Guaraqueçaba,  o cansaço  bateu antes de chegarmos a Tagaçaba e olha que Tagaçaba fica a menos de 35 quilômetros do parque, e só faltava mais 65 quilômetros  até Morretes, mas aquele sobe e desce quase infinito, só não tão infinito pois tem horas que você só sobe, e numa desta subidas chegamos ao mirante, que também parece mais uma daquelas cenas do “Lost”.

Quando chegamos em Tagaçaba, parecia que tinhamos pedalado uns 80 quilômetros. Tomamos um café de verdade e tocamos em frente, faltava muito e como faltava, subida e descida para chegar ao asfalto, a estrada tem muitas pedras e nas subidas tem mais ainda, a bicicleta as vezes patina e isso cansa muito.

Bem mais adiante alguns trechos com retas imensas, e quando eu achei que tinha acabado as subidas, ai sim veio uma monstruosa com 210 metros de altitude, foi ai que me acabei de vez.

Chegamos no asfalto já era mais de 15:30, e depois de andar mais uns dois quilômetros no asfalto a bagageiro do Rafael quebrou. O suporte que se prende ao selim partiu, partiu para aquele lugar segundo o Rafael, sorte estávamos no asfalto e prendemos como deu, usamos um extensor e ficou uma maravilha. A fome e o cansaço estava na cara dos dois e paramos no Recanto Rio do Nunes, lanchamos e o céu caiu, muita chuva, o Gassner resolveu ler e eu arrumar meu cambio que falhou muito durante toda a estrada. Uma hora depois resolvemos seguir viagem até Morretes e procurar abrigo para passar a noite, achamos o Hotel Nhundiaquara, parece meio assombrado, mas nada como o dois ciclo-fedidos e cansados.

Acordamos, comemos e fomos atrás de uma bicicletária para trocar o bagageiro. Pegamos o caminho para São João da Graciosa e claro subir a estrada da Graciosa. Subida dura mas menos cansativa que a estrada de Guaraqueçaba, alguns caldos de cana para aguentar a subida e lá fomos nós. Antes da uma da tarde chegamos no mirante da Graciosa.

Depois de alguns petiscos, seguimos para a BR-116, antes paramos no último caldo de cana e comemos pastéis, a parte mais entediante da viagem foi pegar esta estrada, são mais 45 quilômetros até chegar em casa, a chuva nos cercou várias vezes, mas não tomamos um banho de chuva se quer durante toda a viagem 🙂  O Rafael me acompanhou até perto de casa e depois ele seguiria pelo centro até Curitiba.

Fotos desses dois dias:

Salto Morato – Morretes 28/01/2010
Morretes – São José dos Pinhais 29/01/2010

GPS:

Salto Morato – Morretes : GPSies - Salto Morato - Morretes 28/01/10

Morretes – São José dos Pinhais : GPSies - Morretes - São José dos Pinhais 29/01/10

Guaraqueçaba – Salto Morato – Parte 1

Por , 4 de fevereiro de 2010 16:36

Salto Morato, um destino um tanto cobiçado e longínquo. Inciamos essa verdadeira expedição a partir de São Francisco do Sul  em Santa Catarina, pois o Rafael tinha umas pendências naquela cidade e resolvemos partir de lá mesmo. Pedal mesmo só depois de atravessar a Baía da Babitonga , a balsa só saia as 16:30 e chegamos na Vila da Glória as 17:30, “belo horário pra se começar a pedalar”, enfim!, partimos em direção a Guaratuba passando por Itapoá e Barra do Saí.

Chegamos em Caiobá já era passado das 19 horas e resolvemos para e detonar 6 pães com mortadela e queijo e dois litros de Choco-Milk 🙂 Descansados rumamos agora para Paranaguá e isso já era quase 21 horas e noite. O ritmo foi bom e como estava noite a temperatura ajudou, pegamos a PR-407 que pelo menos tem acostamento, mas como toda estrada que  é plana e com retas loooongas, tudo acaba ficando muito entediante. Não lembro exatamente que horas chegamos em um hotel de Paranaguá, mas chegamos bem cansados e com 106 quilômetros rodados.

Neste dia pedalamos muito pouco só 27 quilômetros, isso mesmo, saímos do hotel e fomos ao centro de Paranaguá achar ao barco para a travessia até Guaraqueçaba, que não estava muito longe, embarcados e foi praticamente a manhã toda, o barco saiu de Paranaguá as 9 da manhã e chegou em Guaraqueçaba as 11:30, lógico fomos direto achar um restaurante, Guaraqueçaba é assim: Trapiche que chega o barco, uma praça onde se vê quase toda a cidade uma ruazinha que sobe e tem outro restaurante e acabou 😮

Onde está a antena é o final de Guaraqueçaba

Devidamente alimentados paramos em uma mercearia (acho que era a única) e compramos alguns mantimentos para passar a noite no camping dali saímos para o Salto Morato, um pedal bem curto o Salto fica a uns 18 quilômetros de Guaraqueçaba. Chegando lá no parque que é mantido pela Fundação O Boticário fomos informados que deveríamos ter efetuado uma reserva, mas como não havia ninguém acampando e estava tranquilo, foi permitida a nossa estádia lá. Alguns lugares da reserva parece com partes do seriado do Lost, aquele auditório no meio do mato, muito sinistro. Chegamos ao camping e logo fomos preparando o acampamento, podia chover e antes que isso acontecesse era melhor estar tudo arrumado, barracas prontas fomos atras do salto propriamente dito, antes passamos por uma ponte pênsil e pelo aquário natural, que na minha opinião é bem mais bonita que o salto, paramos neste aquário e entramos para refrescar o corpo, água extremamente gelada e muito limpa, dá para ver o peixes nos cercando.

Refrescados fomos até o Salto Morato, que realmente é muito alta, algumas fotos e missão cumprida, chegamos lá. Retornamos ao acampamento e a noite logo chegou também, repelente é atrativo para os pernilongos locais, não adiantava passar repelente eles atacavam da mesma forma, fomos dormir, já que não tinha muito a fazer.

Lá pelas 4 horas da manhã começa um dialogo, mais ou menos assim:

-“FABRICIOOOO!!!!”…
– hummm, fala.
– Cara você está fora da barraca?
– ????…  não, estava dormindo!
– Cara eu escutei uns passos….
– ??? 😕 :-?, não escutei nada.
Uma prévia inspeção ao redor do acampamento, sem sair da barraca é claro, e nada de anormal, Tentamos voltar a dormir e é claro que fica a dúvida depois… mais tarde, uns 40 minutos depois sou eu quem escuta os tais passos… 😕 Não sei se foi o cansaço, mas acabei pegando no sono e felizmente nada aconteceu 🙂

Fotos desses dois dias:

São Francisco do Sul – Paranaguá 26/01/2010

Paranaguá – Guaraqueçaba – Salto Morato 27/01/2010

GPS:
São Francisco do Sul – Paranaguá GPSies - São Francisco do Sul - Paranaguá 26/01/10

Paranaguá – Guaraqueçaba – Salto Morato “Os dois caras com GPS não salvaram os tracks deste dia”

Vale Europeu – Terceiro dia

Por , 30 de janeiro de 2010 22:50

Acordar em um lugar como Altos Cedros, com certeza é uma experiência fora de série, mas o pedal tinha que continuar e assim o fiz. Cedo desci para a casa do seu Raulino e fui tomar um café da manhã, logo em seguida estava atravessando a barragem de Altos Cedros no barco do seu Raulino.

Oito horas da manhã em ponto estava iniciando o pedal em direção a Palmeiras o equivalente ao sexto dia oficial. Temperatura agradável e uma paisagem realmente muito bonita, a estrada segue a barragem durante 6 quilômetros, mas não se engane, serão pelo menos mais 25 quilômetros de subida. Saindo de Altos Cedros a paisagem predominante é de reflorestamento, empresas madeireiras tomam conta do lugar, por outro lado a estrada que deveria ser de terra é quase na verdade um anti pó, as empresas jogam um cascalho preto bem moído na estrada, por isso a impressão e fica uma beleza para pedalar.

O ritmo foi um pouco mais lento apesar de a estrada estar uma beleza, lisinha, mas por baixo estava fofa devido as várias chuvas, o solo acabou ficando encharcado e quando o pneu passava o terreno afundava. Aproveitei para tirar boas fotos, o céu estava ajudando também.

Passados os 25 quilômetros, agora é só alegria as descidas compensam os esforços de subir, mas ficar atendo também é bom, perder algumas paisagens pode acontecer. Vi uma cachoeira a beira da estrada com antecedência e quase que eu não consigo parar para desfrutar da água gelada e encher as caramanholas.

Cheguei exatamente meio dia em Palmeiras e adivinha…. o único lugar para carimbar o passaporte e almoçar estava fechado em plena segunda-feira, o jeito foi sentar e comer umas bolachas recheadas que tinha levado e tomar água, passado uns 20 minutos apareceu um caminhão de entrega de cigarros e uma moça abriu o portão ao lado, perguntei se poderia carimbar o passaporte e a mesma disse que sim, pelo menos isso, o rapaz do caminhão informou que uns 6 quilômetros a baixo tinha um restaurante que estava servindo o almoço e me mandei para lá 😀

Como havia descido 6 quilômetros para poder almoçar acabei desviando um pouco o percurso original e não segui o rio Milanês, mas o outro caminho também era muito bonito e com uma descida monstruosa que seguia um rio, mais a frente o caminho retornou ao original.

Logo estava eu no trevo que leva a subida mais temida do circuito, este trecho já faz parte do último dia oficial, ou seja o sétimo dia, Palmeiras-Timbó. Começa com um subidinha e logo você começa a se perguntar por onde eu vou passar, só poder ser um pedal misturado com montanhismo tipo este “7 Suicida – Morro Mãe Catira e Morro do Sete“, mas não é, são 2 quilômetros com uma subida descomunal, talvez só fusca, corcel e ciclistas ande por aquelas bandas. Em um trecho a bike empinou e tive de empurrar alguns metros ai achei uma entradinha que levava a um rio que virava cachoeira.

Passado o verdadeira pedreira, depois fica tudo mais fácil, agora é só descida até Rodeio e depois um asfalto até Timbó. Chegando em Timbó minha esposa já estava me esperando, fomos tomar uma café em uma panificadora e depois pegar o tal certificado.

Fechei o pedal com 96,33 Km em 9h 04m e média de 17.28 km/h

Fotos: Vale Europeu 3° Dia 18/01/10

Trajeto do GPS: GPSies - Vale Europeu 3° Dia

Circuito Vale Europeu – Segundo Dia

Por , 24 de janeiro de 2010 17:56

Deveria ter acordado mais cedo, mas o cansaço custou a passar e resolvi levantar lá pelas 8 horas da manhã 🙂 mesmo assim acabei saindo 10:40 do hotel. Choveu a noite toda e de manhã o sol já se mostrava aos poucos e com isso um mormaço forte veio junto. Uma subida interminável já no começo do pedal e que levaria mais 8 quilômetros para acabar . É isso mesmo saí de 125 metros e fui para 745 metros de altitude com um calor muito forte, cheguei ao ponto de suar tanto que minhas sapatilhas estavam encharcadas como se estivesse pisado no rio. Mas o caminho tem suas particularidades, começando pelos anjos que logo aparecem em algumas propriedades.

Várias cachoeiras começam a fazer parte do visual são muitas o quê a acaba sendo a principal atração do dia, passado a subida depois de duas horas e muito suor, cheguei ao trevo que leva ao Campo do Zinco,  onde há uma posada e um restaurante , como eu havia combinado com minha esposa de almoçar lá na cachoeira, esperei um pouco ela neste trevo, alguns minutos antes eu tinha tomado um banho de chuva e tentei me abrigar em um ponto de ônibus, mas o telhado tinha mais furo do que telha 🙁 aproveitei para tentar secar um pouco as roupas antes dela chegar. Subir a estrada que leva ao Campo do Zinco onde fica a cachoeira do Zinco não deve ser fácil… Desta vez eu coloquei a bike no carro e subi de carro mesmo e fomos direto almoçar. Uma pena que o fotógrafo do zinco não muito bom.

Após o almoço fomos conhecer duas das tantas cachoeiras que cercam o lugar. A principal cachoeira pouco se vê lá de cima, mas existe outra um pouco mais ao lado que é bem visível e bonita.

Seguimos rumo até Dr. Pedrinho próxima cidade do Vale Europeu, algumas estradas que a mata fecha o céu chama atenção, o atrativo agora é a igreja no estilo Enxamel, e o quê eu mais gostei mesmo fui a tranquilidade de um pica-pau em um troco bem ao lado da estrada, ele pouco se importou com minha presença ali.

Nota: Eu só vi que havia um casal de pica-paus quando eu estava editando este post e inserindo as imagens.

Chegando em em Dr. Pedrinho encontrei a Pousada Negherbon abandonada, e a Bella Pousada fechada, o negocio foi seguir até Altos Cedros, mas a cansaço já tinha batido e resolvi fazer uma parte de carro mesmo, é Vale Europeu meio nas coxas mesmo… mas ainda bem que tinha o carro como apoio, senão tinha me lascado em Dr. Pedrinho. O caminho meio marcado com muitas subidas e estrada perigosa devido as chuvas, uma coisa interessante é o poste que sai aguá 🙂 e os dois rios que cruzam a estrada.

Uma dica aqui é ficarem em Altos Cedros, na pousada do Sr. Raulino Duwe, com uma excelente comida caseira e hospitalidade fora de série. Eles não nos esperavam, geralmente as pousadas se comunicam sobre os cicloturistas que partem de uma cidade e que vão para outra, mas como não conseguimos falar com ninguém em Dr. Pedrinho e também não havia sinal de celular, isso uma constante nesta região, sinal somente em Rio dos Cedros e olhe lá, voltando ao assunto, eles nos receberam e preparam tudo com maior atenção, tomamos um café e logo após uma janta deliciosa. O lugar é fantástico e outra dica é se você conseguir falar com ele antes de chegar em Altos Cedros, deixe marcado para ir até a pousada de barco, pois a volta que contorna a barragem tem uns seis quilômetros de sobe e desce de soltar as tiras – Assim denominada um pedal muito difícil pelo Odois.org

Foto do casal Duwe com meu filho no colo e ao fundo uma adesivo do Transpirando.com (Pena que a foto não está muito boa)

Choveu a noite toda e aproveitei o abrigo do chalé para uma revisão básica na bike, incluindo ajustes no cambio e uma centragem leve no aro.

Algum de fotos: Vale Europeu – Segundo Dia

GPS: GPSies - Vale Europeu 2º Dia

Panorama Theme by Themocracy